X
    Categorias: CapaDestaqueEstudo

A função do perdão na reconstrução dos relacionamentos machucados

Um dos temas mais estudados, lidos e comentados sobre a vida cristã é o perdão. Tão essencial em diversos aspectos em nossa vida, o perdão não é só fundamental para uma boa convivência, ele é necessário para muitas curas emocionais, especialmente àqueles que envolvem relacionamentos machucados. Nesse texto, vamos tentar explorar algumas características dessa práxis cristã.

Perdoar é uma condição para o perdão de Deus

Na famosa oração do Pai Nosso, Jesus Cristo nos ensina algo muito importante, quando diz “E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;”, em Mateus 6:12. Percebemos que o perdão que pedimos a Deus, portanto, está condicionado a nossa capacidade de perdoar. Isto não significa que Deus resume sua graça a capacidade humana de liberar perdão, mas que nós, uma vez que não perdoamos, estamos em pecado diante dEle, de modo que nossas súplicas podem não ser atendidas devido a essa falta.

Por essa perspectiva, podemos dizer com tranquilidade que nossa relação com Deus está profundamente vinculada a nossa capacidade de perdoar. Se pensarmos que liberar perdão significa, também, reconhecer que somos pecadores e, por isso, carentes de perdão, misericórdia, compreendemos perfeitamente que essa consciência está em acordo com a passagem que diz:

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” (1 João 1:9)


A confissão de um pecado é também o reconhecimento da necessidade de ser perdoado. Ninguém confessa o que considera pecado se não entender que precisa de perdão. Dessa forma, quando perdoamos, estamos refletindo nesse ato de misericórdia a consciência de que assim como outras pessoas, nós carecemos de perdão, e perdão de Deus.

O perdão cura relacionamentos machucados

Outra grande função do perdão é a cura emocional. Não se trata de um jogo de forças. Infelizmente, muitas pessoas enxergam o perdão como uma fraqueza, associando ele a um sinal de desistência, abandono ou renúncia de muitos conflitos. A sensação de alguns é que ao perdoar, estão sendo coniventes com os erros do outro, mas isso é um engano. Leia:

“Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo.” Efésios 4:31,32

Mais uma vez, vemos como o perdão está condicionado ao amor de Deus conosco. Se perguntarmos a razão do perdão de Deus, saberemos que a função do perdão é de restauração, cura e o estabelecimento de relacionamentos sadios, como está escrito:

“E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação.” 2 Coríntios 5:18,19

Portanto, quando perdoamos, estamos refletindo em nossa atitude o mesmo amor e misericórdia de Deus para conosco, de modo que fazendo isso reconhecemos a necessidade que a outra pessoa tem de ser alcançada com a mesma graça. Isso não é ignorar o pecado do outro, seu erro e ofensa, mas sim dizer que apesar disso, o amamos porque Cristo nos amou primeiro, e assim como Cristo nos dá a chance de reconhecer o erro, se arrepender e mudar, nós também oferecemos ao outro a mesma oportunidade.

É o perdão baseado no amor que nos identifica como cristãos

O perdão também é uma marca da nossa identidade cristã. Afinal, de quem mais poderíamos esperar tamanho gesto de doação e graça, senão naqueles que tem em Cristo o exemplo perfeito de sacrifício por amor aos perdidos? Não é por caso, portanto, que o próprio Jesus declarou, como está escrito:

Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. João 13:34,35

Ora, no que consiste o amor uns pelos outros, senão na capacidade de nos perdoar, arrepender e pedir perdão? Com base no perdão fruto do amor perfeito de Deus para com a humanidade, foi escrito João 3:16, ao enviar Jesus Cristo para um sacrifício imerecido, a fim de que por Ele pudéssemos alcançar o perdão dos nossos pecados.

Por fim, se você está em um relacionamento machucado, saiba que o perdão tem a função de lhe ajudar a curar essas feridas. As vezes é um processo, demora algum tempo, mas pode ser também muito rápido. Em todo caso, perdoar é libertar o outro da culpa, mas, acima disso, é obter de Deus o mesmo favor, imerecido, porém, fruto de um amor verdadeiro e restaurador de vidas.

Will R. Filho: