Gospel+ Dicas Blog Página 3

03 Motivos Errados para Celebrar o Natal – Estudo Bíblico

0

Muitas vezes as tradições culturais, com o passar do tempo, se distanciam tanto da sua origem que terminam perdendo seus valores. Não é diferente com o Natal, onde nem sempre o nascimento de Cristo é o grande motivo das celebrações, mas sim os costumes herdados das transformações culturais. Pensando nisso, vamos lhe dar 03 motivos errados para celebrar Natal.

01 – O Natal não celebra compras e presentes

Essa é, talvez, uma das heranças culturais mais deturpadas em relação ao Natal, enraizada no “ideal coletivo” de forma tão marcante que muitos não conseguem enxergar o Natal sem o recebimento e doação de presentes. Mas, será que essa prática faz sentido a luz da bíblia? Leia:

“E, tendo nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém, Dizendo: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos a adorá-lo. (…)

E, entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra. (Mateus 2:1-2,11)

Muitos alegam que a tradição dos presentes é um símbolo que relembra os que foram dados pelos Magos do Oriente ao menino Jesus. Todavia, o que tais pessoas esquecem é que o valor implícito no gesto dos Magos é de ADORAÇÃO, doação e sacrifício, para quem, de fato, é merecedor disso.

Os Magos viajaram por longos dias (sacrifício), carregando com eles três das mais ricas e preciosas especiarias da época (doação) para testemunhar o nascimento do Salvador e reconhecê-lo como Deus (adoração). Aquelas “dádivas” não foram simples presentes! Muito além de qualquer formalidade, o que fez aqueles Magos saírem do Oriente guiados por uma estrela até a pequena Belém, foi a certeza de que estariam diante do Filho de Deus!

Os presentes que foram dados a Cristo carregaram consigo o valor do reconhecimento dado a quem, de fato, mereceu ser reconhecido como Messias prometido, o Salvador do mundo. Ao presentear com o melhor de suas posses, aqueles Magos se renderam a Cristo, adorando-o como Senhor. Não quiseram trocar cordialidades, mas sim dizer que reconheciam oficialmente o nascimento de Cristo.

Todavia, a cultura deturpou a comemoração do Natal de forma tão marcante que a humanidade achou um meio de inverter a ideia de reconhecimento pelo nascimento do Salvador, para honrar a criatura invés do Criador, presenteando uns aos outros e não a quem, de fato, é o único merecedor de reconhecimento: o menino Jesus!

Atualmente enxergamos com tanta naturalidade a troca de presentes no Natal que raramente refletimos criticamente qual é o sentido disso a luz da Bíblia. Alimentamos as indústrias, aquecemos o comércio, incluímos pessoas ao passo que excluímos os que não podem presentear e serem presenteados. Sobre tudo isso devemos nos perguntar: o que faria Jesus em nosso lugar?

02 – O Natal não comemora a Ceia de Natal

Uma das grandes simbologias natalinas, assim como a árvore de Natal, é a ceia de natal. Todavia, a bíblia não faz menção a uma ceia de natal em comemoração ao nascimento de Cristo. Na bíblia, ceia era uma prática diária, comum para nós hoje como é um jantar, por exemplo.

A ceia do Natal é nada mais do que um “jantar especial”, por se comemorar, supostamente, o dia do nascimento de Cristo, muito embora a bíblia também não faça referência exata ao dia em que Cristo nasceu, sendo o 25 de dezembro uma data estabelecida como fruto da tentativa de unir a nova religião oficial do Império Romano (o cristianismo), com as antigas tradições pagãs em comemoração ao solstício de inverno, ocorrida justamente nesta data.

É importante entender esse fato, especialmente os cristãos, para que a ceia de Natal não se torne motivo de comemoração em si mesma, como se nela houvesse algum valor “sagrado”, quando não há! A luz da bíblia, apenas o nascimento de Cristo é motivo de comemoração e Cristo o único digno de ser adorado.

Para o cristão, a ceia deve ser, portanto, lugar de “encontro”, comunhão e celebração pelo nascimento de Cristo. Uma oportunidade de anunciar o propósito pelo qual Jesus nasceu (anunciar o evangelho) e fazer jus a este ensino. Se este acontecimento é comemorado com ou sem ceia, peru, porco, peixe, ovos ou qualquer outro alimento, não faz a menor diferença.

03 – O Natal não celebra a “festa de Natal”

Quando nos referimos a “festa de Natal“, queremos dizer do acontecimento em si mesmo, a data e seus símbolos, que muitas vezes são comemorados como apenas mais uma festa do ano, sendo a oportunidade que alguns esperam para, por exemplo, rever amigos, comer e beber bastante, namorar, viajar, etc.

É normal esperar que o Natal seja apenas mais uma data comemorativa, por exemplo, para quem não é cristão, mas é triste perceber como mesmo pessoas da fé cristã têm transformado o Natal apenas em uma oportunidade de festejar. Na prática, sem perceber alguns retiram Cristo da sua atenção e colocam os atrativos da festa no lugar da adoração.

Isso acontece, por exemplo, quando a decoração da casa ou até mesmo do templo, se torna mais urgente e importante do que a reflexão bíblica sobre o nascimento de Cristo. Quando os dias de folga, o cardápio da ceia, as roupas novas, o pacote de viagens, o décimo terceiro salário ou os presentes, ocupam o lugar da atenção que deveria ser dada especialmente a importância do nascimento de Jesus Cristo!

Talvez, uma passagem bíblica que demonstra muito bem a lição que tentamos transmitir neste tópico, se encontra em Lucas 10:38-42.  Jesus entrou na casa de Marta, porém, quem lhe deu atenção foi sua irmã, Maria, enquanto Marta se preocupava com outros serviços na intenção de servir a Cristo. Como está escrito:

“Marta, porém, andava distraída em muitos serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe que me ajude.

E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.” 

Vemos com isso que por melhor que sejam nossas intenções, nem sempre elas refletem a vontade de Deus. Portanto, para o cristão que deseja celebrar o real sentido do Natal, é importante tentar agir como Maria, se colocando mais próximo de Cristo, para lhe ouvir, aprender e adorar. Deixando um pouco mais de lado as questões secundárias da “festa” para dar valor ao que é, de fato, o mais importante na essência!

Como fazer uma Cantata de Natal em Família?

0

Final de ano chega o Natal e com ele um dos momentos mais aguardados de todos; a reunião da família! Não importa se família aqui significa estar com os amigos, colegas de trabalho ou qualquer outra pessoa, o fato é que todos nós amamos o sentimento familiar e pensando nisso nossa dica hoje é sobre como fazer uma cantata de Natal em família.

Poucas coisas conseguem reunir tanto as pessoas em torno do mesmo objetivo do que uma cantata de natal. Para nós, cristãos, essa atividade é uma tradição na comemoração do Natal, onde através das músicas rendemos louvores ao nascimento de Jesus Cristo de forma alegre e festiva.

Temos a ideia comum de que uma cantata de Natal é algo complexo, trabalhoso e presente apenas nas igrejas ou organizações musicais, com grandes corais e cantores profissionais. Graças a ampla divulgação na mídia de lindas cantatas Brasil a fora no período de Natal, dificilmente nos damos conta que também podemos fazer uma cantata em nossa casa, com nossos familiares.

Uma cantata de Natal em família é uma excelente oportunidade de criar vínculos, unir parentes distantes, falar do verdadeiro significado do Natal aos vizinhos e, quem sabe, a toda comunidade local. É um meio de comunhão, louvor a Deus e evangelismo aos que não conhecem o sentido bíblico do Natal.

Outra grande vantagem de uma cantata de Natal em família é que ela não requer basicamente nenhuma estrutura ou recursos complexos, mas apenas a disposição de participar, alguma afinação vocal, boas músicas e criatividade.

Cantata de Natal em Família, como Fazer?

Cantata de natal em família
Foto ilustrativa – Cantata de Natal

a) Faça uma lista de participantes;

A primeira coisa é fazer uma lista das pessoas interessadas em participar. Se em sua família inclui amigos, vizinhos, não tem problema, afinal de contas, no sentido bíblico todos somos irmãos, certo?

b) Escolha se vai ser a cappella, com play back ou instrumental

Uma cantata de Natal a cappela não precisa de instrumentos para acompanhar os cânticos, porque são apenas as vozes. Nesse tipo de cantata o coral da família pode se apresentar, por exemplo, na frente da sua casa, na praça, no seu quintal ou terraço, etc., e não se preocupar com nenhum tipo de estrutura sonora.

Por outro lado, a cantata pode utilizar play back, que é uma música instrumental gravada num CD, pendrive, etc., sem as vozes, para que o coral da família acompanhe a execução colocando suas próprias vozes. Neste caso, você precisa apenas de um aparelho de som, com a potencia suficiente para o espaço onde deseja se apresentar.

Se a família optar por fazer uma cantata com instrumentos, terá que ter os músicos que vão tocar os instrumentos, que podem ser violão, teclado (ou piano), efeitos de percussão, bateria, etc. Ou seja, o quanto você tiver a sua disposição. No geral, como se trata de uma cantata de Natal em família, um violão e/ou teclado já seria de bom tamanho.

c) Escolha o repertório da cantata

A quantidade de músicas vai depender do tempo que a família pretende dispôr para a cantata. Pode ser apenas uma música, ou dez, fica a seu critério. O mais importante é a comunhão do momento, certo?

Se a família não tem experiência com cantatas, apresentações em corais ou até mesmo com a própria música, dê preferência para músicas fáceis, mais conhecidas, curtas, com pouca divisão de vozes ou nenhuma, deixando a critério e habilidade dos próprios integrantes fazerem o tipo de voz que puderem.

d) Distribua as músicas aos integrantes com antecedência e marque ensaios

Uma vez que você escolheu o repertório (aceitando sugestões, claro!), imprima e distribua aos membros da família para eles decorarem as letras. Se possível, compartilhe vídeos e links de MP3 na internet com as músicas cantadas por outros corais, para que os membros escutem e aprendam com mais facilidade.

Feito isso, se possível, marque alguns dias de ensaio, reunindo todo o grupo antes do grande dia oficial. Caso os parentes ou amigos morem distantes e não possam se reunir para ensaiar, não tem problema. O mais importante não é a perfeição, muito menos a mera apresentação de uma cantata natalina, mas sim o motivo da reunião, celebração e comunhão. Se todos aprenderem as músicas e tiverem o desejo de participar, isso é o bastante!

Essa foi a nossa dica natalina de hoje. Aproveite, reúna sua família e comemore o nascimento de Jesus de forma mais íntima e amorosa com quem você ama.

O Dia da Bíblia, Todos os Dias – A importância de Estudar o que “Está Escrito”

0

Comemoramos no último dia 11 o Dia da Bíblia, sempre no segundo domingo de dezembro. O que poucas pessoas enfatizam é que esta comemoração nasceu em 1549 por iniciativa do Bispo Cranmer, ao definir no livro de orações do Rei Eduardo VI, um dia específico de orações por mais leitura bíblica.

A intenção do referido Bispo foi interceder para que mais pessoas tivessem acesso e lessem com mais frequência a Palavra de Deus. Na prática, portanto, o sentido dessa comemoração não foi simplesmente estabelecer um dia para nos fazer lembrar da bíblia, mas sim para não deixar de ler todos os dias.

Pensando nisso, esse pequeno estudo é uma tentativa de fazer jus a necessidade que todo cristão possui de ler a bíblia diariamente. Para isso, não existe melhor forma de mostrar a importância disso sem recorrer ao que a própria bíblia diz sobre o assunto. Vejamos:

A Bíblia é fonte de Sabedoria e Prosperidade

Olhe o que diz o salmista, no capítulo 1:1-3 de Salmos, como está escrito:

“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.
Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.”

Perceba que a noção de prosperidade nessa passagem está vinculada a quem “…tem o seu prazer na lei do Senhor”, e que isto ocorre “…no seu tempo”, como são os frutos de uma árvore, que firmada numa terra fértil (a Palavra), cresce e prospera através de seus frutos.

O mesmo salmista afirma no capítulo 119:105, como está escrito: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho.”, onde clama também por entendimento (vers. 169) e proteção contra o pecado (vers. 11).

Além da sabedoria e prosperidade em múltiplas formas, a bíblia também nos confere domínio próprio e perseverança. Esses frutos do espírito também são conquistados com o estudo da Palavra, como escreve Paulo:

“Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança.” (Romanos 15:4)

A Bíblia é fonte de Libertação Espiritual

Através da bíblia, Deus mostra a humanidade a razão do seu sofrimento. Por ela, através da relação inicialmente estabelecida com o povo hebreu, registrada para testemunho de todos os povos, Deus nos dá a oportunidade de perceber a condição de pecado da humanidade perante Ele, o seu Criador.

Por essa condição, o sofrimento humano, consequência de invejas, rancor, ódio, luxúria, egoísmo, mentiras, hedonismo, materialismo, etc. são postos como frutos de uma escravidão espiritual impossível de ser vencida se não for através de Jesus Cristo.

Com base nisso a Bíblia veio a existir, para que seus relatos pudessem servir de ensino (Rm 15:4) sobre como Deus se revelou a humanidade, na intenção de que nós, humanos, possamos reconhecer nossos erros e nos reconciliar com Deus através de Cristo. Por isso Paulo enfatiza, como está escrito:

“Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?

E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.” (Romanos 10:14,15)

O Apóstolo demonstra a importância da pregação baseada no ensino do evangelho, por isso logo mais, no verso 17, ele conclui dizendo: “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.”

O motivo para tamanha ênfase está na declaração do próprio Cristo, como está escrito em João 7:38: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. (…) E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (8:32)

A Bíblia é a Verdade de Deus sobre a Vida

Em nenhum momento da narrativa bíblica Jesus Cristo se apresenta como uma, dentre muitas “verdades”. Ele, ou a figura de Deus na pessoa dEle, não são postos como uma opção em par de igualdade sobre qualquer coisa acerca da vida.

Jesus afirma ser, Ele próprio, a única Verdade capaz de salvar o ser humano da sua condição de pecado. Neste sentido, Cristo encerra qualquer discussão filosófica, por exemplo, sobre o “logos”, um princípio, uma verdade da qual todas as coisas emanam. Ao se apresentar como o “…único caminho, a Verdade e a vida” (João 14:6), Cristo trás para si a resolução de todos os dilemas humanos. Como está escrito:

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.” (Mateus 11:28,29)

Cristo declara isso porque conhece sua própria natureza divina, como verbo de Deus encarnado por amor aos humanos. Por isso ao rogar a Deus por seus discípulos Ele pede “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.” (João 17:17).

A Bíblia é a Resposta do Cristão para os Dilemas da Vida

Dentre todos os livros, conhecimentos e referências possíveis acerca da fé, da vida humana e sua história, a bíblia deve ser a maior fonte de autoridade para o cristão ao lidar com os dilemas da vida. Jesus Cristo deixou isso muito claro quando foi tentado no deserto.

Um dos piores momentos na vida de Jesus certamente foi passar 40 dias no deserto, e não por acaso quando estamos em aflição gostamos de dizer que estamos passando pelo deserto. O deserto é símbolo de escassez, solidão, angústia, dor física e emocional. Fome, sede, desespero, depressão e morte.

Cristo passou pelo deserto, mas talvez o pior momento da sua jornada naquele lugar foi ter que enfrentar as tentações de Satanás. Todavia, como sendo Ele próprio a Verdade encarnada de Deus, Cristo não poderia agir diferente, senão autenticando a Palavra de Deus, nos ensinando que devemos aprender a dizer: “ESTÁ ESCRITO”!

Cristo não optou lidar com Satanás baseado em sua própria sabedoria, mas sim no que já estava escrito. Ele poderia ter usado sua própria autoridade para repelir a tentação, certamente, mas ao responder sempre com um “está escrito”, Cristo ensina que a bíblia é a nossa grande arma nos momentos de aflição. Como está escrito:

“Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães. Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. (Mateus 4:3,4)

Por fim, que nós possamos pensar o Dia da Bíblia como sendo todos os dias, para que meditando nela dia e noite, como recomenda o salmista, possamos estar “…preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança…” 1 Pedro 3:15). Como Jesus, sempre dizendo:

ESTÁ ESCRITO!

10 Curiosidades Bíblicas para o Dia da Bíblia

2

No segundo domingo de dezembro de cada ano é comemorado o Dia da Bíblia, celebração que teve início na Grã-Bretanha em 1549, mas que no Brasil só veio a ser um evento público em 1948, com a fundação da Sociedade Bíblica do Brasil, no Monumento do Ipiranga, em São Paulo (SP).

A data tradicionalmente comemorada por uma semana na maioria das igrejas cristãs, integra o calendário oficial do país a partir de 2001, quando foi promulgada a Lei Federal 10.335, que institui o Dia da Bíblia como evento em todo território nacional.

Pensando nessa data importante, resolvemos fazer um pequeno seriado de publicações com dicas, curiosidades e informações muito valiosas sobre a bíblia, até o próximo domingo, dia 11, quando em todo Brasil nossas igrejas vão celebrar o Dia da Bíblia. Sem dúvida você vai aprender lições valiosas sobre a razão da bíblia ser a única Palavra de Deus e o grande manual de fé e prática cristã.

Para começar, separamos 10 curiosidades bíblicas para você compartilhar com seus amigos, na igreja, em gincanas e estudos de grupo. Acompanhe:

01 – Quantas letras tem a Bíblia?

Considerando apenas o texto bíblico, de fato, a bíblia possui 3.566.480 letras, formando um total de 773.692 palavras!

02 – Quantos versículos tem a Bíblia?

Com base na tradução Almeida Revista e Corrigida, a bíblia possui 31.105 versículos, sendo o de Ester 8:9 o maior deles, enquanto, diferente do que muitos imaginam, Êxodos 20:13 é o menor e não João 11:35.

03 – Quantos capítulos tem a Bíblia?

Exatos 1189 capítulos!

04 – Quem dividiu a Bíblia em capítulos e quando isso aconteceu?

A divisão da bíblia em capítulos ocorreu entre 1234 e 1242, no século XIII, pelo teólogo, professor da Universidade de Paris e Bispo de Canterbury, na Inglaterra, Stephen Langhton.

05 – Quando ocorreu a divisão da Bíblia em versículos?

A bíblia cristã é composta pelo que chamamos de velho e novo testamento, também reconhecidos na Teologia como primeiro e segundo pacto, ou aliança. A divisão em versículos se deu em dois momentos, sendo o primeiro feito por judeus, altamente estudiosos, os quais dedicavam suas vidas a recitação e cópia precisa das escrituras. São os chamamos massoretas!

Foram os judeus massoretas, portanto, que dividiram primeiro o Antigo Testamento, também chamado de Bíblia Hebraica, entre os séculos IX e X.

O Novo Testamento, ou Nova Aliança, foi dividido em versículos muito depois do texto hebraico, apenas em 1551, por um impressor francês chamado Robert d’Etiénne, em Gênova, na Itália.

06 – Qual foi a primeira Bíblia completa (Antigo e Novo testamentos) publicada com a divisão de capítulos e versículos?

Foi a bíblia de Genebra, em 1560, na Suíça. Foi com base nessa tradução, por exemplo, que a Sociedade Bíblica do Brasil lançou a Bíblia de Estudo de Genebra, considerada uma das melhores.

07 – Qual o maior capítulo da Bíblia?

Salmo 119, com um total de 176 versículos.

08 – Qual o menor capítulo da Bíblia?

Salmo 117, com apenas 2 versículos.

09 – Quem escreveu os livros da bíblia?

Cremos que a Bíblia é uma compilação de livros inspirados por Deus. Alguns teólogos, especialmente judeus, creem que Deus ditou muitas das suas passagens (no Antigo Testamento). Todavia, essa controvérsia teológica é uma questão a parte que não impede a concepção comum de que Deus é o grande autor, através de escritores humanos.

Leia 2 Timóteo 3:16, 1 Coríntios 2:13 e 2 Pedro 1:21 para conferir o que a própria bíblia declara a respeito da sua inspiração.

No que diz respeito aos escritores humanos, a bíblia foi redigida por cerca de 40 pessoas diferentes ao longo de 1.500 anos, em três idiomas e com inúmeros tópicos, porém, com a mesma unidade temática!

Dentre os autores estão Moisés, Salomão, Esdras, Neemias, Jeremias, Jonas, Amós, Malaquias, Paulo, Mateus, Marcos, Pedro, João, Judas, etc.

10 – Quando os livros da Bíblia foram escritos?

Como dissemos na resposta acima, os livros da bíblia foram escritos no decorrer de 1.500 anos. Portanto, em épocas e contextos sociais diferentes, bem como por escritores diferentes. Nada disso impediu que a bíblia obtivesse uma impressionante unidade temática, de forma racionalmente impossível de conceber, sendo essa uma clara evidência da sua inspiração divina.

03 Filmes de Natal para o “CineGospel” da sua Igreja

0

Chega final do ano, época de Natal e as emissoras de TV começam a exibir filmes natalinos em todo mundo. Porém, nem sempre a forma como os filmes produzidos refletem a visão bíblica sobre o Natal. Pensando nisso, selecionamos 03 filmes de Natal que podem fazer parte da sua coleção e ainda ser utilizado para o “CineGospel” da sua igreja.

Para nós que sabemos o verdadeiro sentido do Natal, é no mínimo estranho ver filmes natalinos onde Jesus Cristo não é o grande personagem, o fundamento e lição a ser aprendido com o significado do seu nascimento.

No lugar de Cristo, nos filmes de Natal comuns, geralmente transmitidos pela TV aberta, a figura do “papai noel” é o grande destaque, assim como a ênfase nos presentes e nas festividades acompanhadas de muita fartura, mas nunca na realidade bíblica de um Jesus perseguido, nascido humildemente numa manjedoura e honrado por ser o Filho de Deus.

A grande diferença entre a maioria dos filmes de Natal exibidos na TV aberta e os três que selecionamos a seguir, é o caráter cristocêntrico da mensagem. Confira na lista abaixo as indicações e um rápido resumo de cada filme. Você pode encontrá-los nas principais editoras, locadoras ou disponíveis para download gratuito na internet.

01 – Filme “O Primeiro Natal”

O filme conta de forma muito simples e envolvente, agradável para toda família, como uma menina (Amélia), aprende que “mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (Atos 20.35b), quando seus pais decidem abrir mão de todos os seus presentes para ajudar uma família necessitada. Veja o trailer:

Gênero: Musical
Duração: Aprox. 59 minutos
Idioma: Português / Inglês
Legenda: Português / Inglês
Formato: 4×3 LetterBox
Distribuidor: Graça Filmes
Classificação etária: Livre

02 – Filme “Feliz Natal”

Indicado ao Oscar, Globo de Ouro e BAFTA de Melhor Filme Estrangeiro, este filme conta uma história que se passa durante a primeira guerra mundial, quando soldados do exércitos alemão, francês e escocês, resolveram dar uma trégua no conflito para celebrar o Natal. Devido a isso, esses homens aprendem uma das máximas do cristianismo que é o amor ao próximo e o respeito.

O filme é emocionante e trás em seu conteúdo o significado do Natal no sentido de esperança para a humanidade, através de Cristo, como proposta de união baseada no amor e no perdão. Veja o trailer:

Título original: Joyeux Noël
Distribuidor: Columbia Pictures do Brasil
Ano de produção: 2005
Tipo de filme: longa-metragem

03 – Filme “O Presente Perfeito”

Um filme que também possui uma mensagem natalina bastante objetiva e simples, ideal para todos os públicos. Ele conta a história de uma família que aprende lições importantes sobre amizade e comprometimento, com a vida de um andarilho chamado Jess. Veja o trailer:

Gênero: Vida Cristã
Duração: Aprox. 90 minutos
Idioma: Português / Inglês
Legenda: Português / Inglês
Formato: 4×3 LetterBox
Distribuidora: Graça Filmes
Classificação etária: Livre

“Eu vi Deus” – Novo Single do Rapper Marcelo Biorki – Escute no G+

0

Ex-integrante dos projetos Shekinah Rap e DigitalBomb, o rapper Marcelo Biorki lançou recentemente para o público um single fruto do seu primeiro trabalho solo, que será lançado em janeiro de 2017, chamado “Simplicidade”.

A música “Eu vi Deus” retrata muito bem a concepção teológica de Biorki, assim como a proposta do seu novo álbum, que procura enxergar de um jeito simples as diferentes formas da presença de Deus em nosso cotidiano.

No single “Eu vi Deus“, o rapper que também é escritor, autor da obra “Liberdade dos meus versos“, fala de situações vividas por ele ao longo das suas experiências, onde pode enxergar a presença de Deus no momento de sua conversão, evangelizando, cantando, vivenciando o cristianismo através da relação com o próximo.

A música, de fato, é um convite para que o cristão saiba reconhecer a presença de Deus 24h em sua vida, de modo que tudo o que faz pode ser um reflexo da adoração a Deus por sua presença.

A expectativa é que o primeiro álbum solo do cantor siga a mesma linha de raciocínio do single, trazendo músicas que falam da fé cristã de forma muito “autoral”, no sentido prático, como quem retrata àquilo que acredita porque vive, de fato, o que prega.

Biorki, que tem forte atuação e respeito pela comunidade carcerária, por já ter trabalhado 05 anos como arte-educador na Fundação Casa em São Paulo, auxiliando na ressocialização dos internos, fazendo palestras e oficinas de rap como faz até hoje no Estado da sua residência, Minas Gerais, certamente carrega experiências que nos ajuda a compreender como Deus se manifesta em contextos que poucos de nós temos acesso.

O autor disponibiliza o single “Eu vi Deus” para download gratuito em seu site (link abaixo), mas você também pode escutar clicando no play a seguir:

Vale muito a pena fazer o download da canção clicando AQUI e divulgar mais este excelente trabalho. Ficamos agora no aguardo no álbum completo que, certamente, vai enriquecer muito o cenário do rap cristão nacional.

Natal Solidário, Como fazer? – Dica de Programação Natalina para Igreja

0

É comum no Natal a gente pensar nas festas, reunião familiar, encontro com os amigos e outros eventos comemorativos, mas quando olhamos para o nascimento de Cristo e entendemos a esperança que ele trás para a humanidade, é impossível não enxergar a importância do “Natal Solidário“.

Há uma grande diferença, todavia, entre o Natal solidário cristão, baseado no evangelho bíblico, de qualquer outro gesto de solidariedade feito pela humanidade na época de Natal apenas por ser um evento típico do ano. Para realizar essa programação segundo a luz de Cristo, portanto, é imprescindível compreender essa diferença.

O Natal solidário é mais do que solidariedade

Em primeiro lugar, se questione: por que Jesus nasceu? Qual foi o grande objetivo do nascimento de Cristo? A resposta é clássica:

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:16)

Com essa lição em mente, faça esta outra pergunta: a programação do Natal solidário reflete o objetivo do nascimento de Cristo? Para lhe ajudar a entender a resposta, leia:

“Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque a este o Pai, Deus, o selou.  (João 6:26,27) (…)

Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu.
Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.” (João 6:32,33)

Na passagem acima Cristo deixou claro que seu grande objetivo não é atender as necessidades físicas/materiais da humanidade (leia do versículo 22 até o 58), mas sim espirituais. Trazer ao mundo a salvação da morte eterna, instituída pelo pecado, através do arrependimento humano com base na fé em Cristo (leia também Mateus 6:33).

Agora podemos situar melhor o objetivo da nossa programação: anunciar o verdadeiro significado do nascimento de Cristo, através de ações solidárias que aliviam o sofrimento humano, passageiro, mas que apontam para uma proposta eterna de salvação espiritual mediante Cristo, o “pão da vida”.

Como funciona o Natal solidário?

Milhares de pessoas não tem a oportunidade de compartilhar uma ceia de Natal, se reunir com amigos, familiares, para celebrar o nascimento de Cristo. Essas pessoas, muitas vezes em situação de rua, ou distantes de casa, sem contato social, passam o Natal isoladas, sem compartilhar com o próximo a natureza desse momento.

O Natal solidário é nada mais do que uma oportunidade para a Igreja abrir suas portas a comunidade, oferecendo uma ceia de Natal comunitária, com a colaboração de todos os membros. Essa programação pode ser feita no espaço do próprio templo ou numa área de eventos.

A ênfase da programação é alcançar pessoas excluídas do convívio social, como moradores de rua, dependentes químicos, pessoas em situação de abandono familiar, tais como idosos e todos que por qualquer motivo não tem a oportunidade de compartilhar uma ceia de Natal com amigos, familiares, ouvir sobre Cristo e compreender a importância do seu nascimento.

Recursos necessários

Para executar essa programação, a igreja precisa designar:

a) espaço para realização do evento. Pode ser no próprio templo ou em outro local;

b) Distribuição dos pratos (alimentos) que cada membro da igreja ficará responsável para levar ao dia da ceia, assim como bebidas;

c) Pratos e talheres descartáveis;

d) Equipamentos de som e vídeo;

e) Lixeiras

f) Colaboradores para servir os pratos

Execução do Natal solidário

Perceba que não é preciso muito para fazer essa programação. Ao distribuir para cada membro da igreja a responsabilidade de levar um prato diferente (alimento), você dispensa a necessidade de cozinheiros, assim como da limpeza dos utensílios, pois cada um ficará responsável pelo que levar.

A igreja pode fornecer apenas os pratos e talheres descartáveis, assim como a estrutura do evento, como espaço, equipamentos de som, sanitários, etc.

A igreja, na forma dos membros, deve antecipadamente anunciar as pessoas que são os alvos da programação, que haverá uma ceia comunitária oferecida para a comunidade no dia marcado, convidando pessoalmente para o evento. Se possível, pegar contatos para lembrar a pessoa no dia do evento ou mesmo levá-la pessoalmente ao local.

No dia do evento, a igreja disponibiliza mesas para que todos os membros organizem as refeiçoes, reservando o lugar para o momento da ceia.

Um culto deve anteceder a ceia comunitária, para que os convidados compartilhe com a igreja a mensagem de Natal, seu verdadeiro significado, através de músicas e apresentações, bem como da exposição bíblica.

Finalmente, os próximos passos do evento é comum para toda igreja cristã: acomodação dos convidados, organização de fila, distribuição das refeições, comunhão e partilha de vida, para que todos possam ver Cristo na maneira como são tratados, com muito amor e alegria.

Menu Gastronômico para Ceia de Natal – Receitas de Paola Carosella

1

Chega o final de ano, família reunida e a ceia de Natal é um dos momentos mais aguardados de todos nós, mas quando o cozinheiro(a) não domina muito bem a arte culinária, o que fazer para não passar vergonha com os parentes e amigos?

Em nossa dica de hoje, pesquisamos três receitas de Natal super saborosas e elegantes, que vão deixar seus convidados admirados e você se achando um verdadeiro MasterChef! Isso, porque, as receitas são da famosa Chef de cozinha e uma das apresentadoras do programa MasterChef Brasil, Paola Carosella.

Cada receita possui um nível de dificuldade. Fizemos a seleção sugerindo como seria um menu gastronômico para uma ceia de natal com entrada, prato principal e sobremesa. Segue:

01 – Entrada: Bruschetta em duas versões

bruschetta em duas versões de Paola Carosella

Ingredientes:

– 1 pão fresco preparado junto com a foccacia ou 8 fatias de pão italiano

Tapenade:

– 1 xícara de azeitonas pretas gregas ou marroquinas

– ¼ colher (chá) de tomilho fresco

– 1 dente de alho

– 4 colheres (sopa) de azeite extravirgem

– 1 colher (sopa) de armagnac ou conhaque

– 1 xícara (chá) de coalhada seca

– 100 g de amêndoa

– 4 ramos de manjericão

Aspargo:

– 12 aspargos

– Suco de ½ limão-siciliano

– Sal e pimenta-do-reino

– 5 colheres (sopa) de azeite

– 100 g de queijo parmesão

– 12 folhas de hortelã

Modo de preparar:

Bruschetta: corte 8 fatias do pão com 1 centímetro de altura, coloque-as na grelha ou no forno para torrar até ficarem douradas. Essa operação também pode ser feita na frigideira com um fio de azeite.

Tapenade: lave as azeitonas três vezes em água para retirar o excesso de sal. Seque-as com um pano. Retire as sementes. Pique-as na faca com o tomilho e o alho ou passe-as no liquidificador. Adicione o azeite e o armagnac. Faça uma meia-lua com a coalhada sobre cada bruschetta. No centro, disponha a tapenade. Enfeite com a amêndoa e folhas de manjericão. Só a metade da tapenade será usada nesta receita.

Aspargo: corte os aspargos crus em lâminas finas no sentido diagonal. Coloque as fatias numa tigela e tempere com o limão-siciliano, o sal, pimenta-do-reino moída na hora e o azeite. Assente sobre as torradas e enfeite com fatias de parmesão e folhas de hortelã fresca.

Grau de dificuldade: Médio

Tempo de preparo: 20 minutos

Quantidade: 8 porções

02 – Prato Principal: Rosbife ao creme de raiz-forte

rosbife ao creme de raiz-forte de Paola Carosella

Ingredientes:

Rosbife:

– 1 colher (sopa) de sal marinho

– 1 colher (sopa) de pimenta-do-reino moída grossa

– 1 colher (sopa) de folhas de alecrim fresco

– 1 colher (sopa) de molho inglês

– 1 colher (sopa) de vinagre balsâmico

– 1 colher (sopa) de açúcar mascavo

– 5 dentes de alho amassados com pele

– 5 folhas de louro

– 1 pitada de peperoncino (opcional)

– 1 colher (sopa) de mostarda de Dijon

– 5 colheres (sopa) de azeite extravirgem

– 1 kg de miolo de contrafilé

Guarnição

– 300 g de cebola

– 100 g de manteiga sem sal

– Sal e pimenta-do-reino

– 600 g de cenoura

– 30 g de açúcar

– 250 g de brotos de ervas

Creme de raiz-forte

– 3 xícaras de creme de leite

– 2 dentes de alho

– Sal

– 6 colheres (sopa) de raiz-forte (kren) em conserva

– 1 colher (café) de suco de limão-siciliano

– ½ colher (café) de tabasco

– Pimenta-do-reino moída grossa

– 4 colheres (sopa) de endro (dill) fresco picado grosseiramente

Modo de preparar

Rosbife: num pilão, misture todos os temperos, reservando 2 colheres (sopa) de azeite e amasse tudo. Massageie a carne nessa mistura e a mantenha na geladeira entre 24 e 48 horas. Antes de assar, deixe a carne por 5 horas em temperatura ambiente. Aqueça o forno a 180ºC e coloque nele uma assadeira de bordas altas até que fique bem quente. Retire a assadeira do forno, unte com o azeite restante. Disponha a peça de carne e leve ao forno por 35 minutos. Na metade do tempo, vire a carne. O centro ficará bem rosado. Ao retirar a carne do forno, coloque-a sobre papel-alumínio e despeje sobre ela todo o caldo que sobrar da assadeira. Faça um pacote bem fechado com o papel-alumínio. Mantenha a carne embrulhada até o momento de fatiá-la e servi-la.

Guarnição: descasque as cebolas e ferva-as por 10 minutos em uma panela com água, manteiga e sal. Retire-as e seque-as com pano. Raspe as cenouras para eliminar a casca. Coloque as cebolas e as cenouras numa fôrma, tempere com sal e pimenta-do-reino. Polvilhe açúcar e leve para assar em forno a 160ºC, até ficarem tenras. Reserve os brotos de ervas para a montagem.

Creme: coloque o creme de leite numa panela com o alho e uma pitada de sal e cozinhe em fogo baixo até que se reduza a um terço. Retire o alho, esmague-o até obter um purê e misture ao creme. Quando esfriar, adicione a raiz-forte, o limão, o tabasco, a pimenta e o endro.

Montagem: desembrulhe a carne tomando o cuidado de recolher o molho em volta dela numa molheira. Fatie-a em lâminas de 1 centímetro de espessura e vá recolhendo o suco que dela vai se desprendendo para juntá-lo à molheira. Numa travessa, disponha a carne fatiada e enfeite com as ervas ao redor. Sobre elas, coloque a cenoura e a cebola e regue com o molho e o creme de raiz-forte.

Grau de dificuldade: Médio

Tempo de preparo: 80 minutos + tempo de marinada

Quantidade: 4 porções

03 – Sobremesa: Ameixas tostadas com suco de laranja e baunilha

Ameixas tostadas com suco de laranja e baunilha de Paola Carosella

Ingredientes

400 g de ameixas frescas
1 fava de baunilha
3 colheres de sopa de açúcar mascavo
3 colheres de sopa de suco de laranja (ou licor de amaretto)

Para servir
Creme de leite fresco batido sem açúcar ou iogurte grego ou sorvete de baunilha

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno a 180 graus.

Lave e seque as ameixas.

Corte-as no meio (pode deixar o caroço que não sair facilmente).

Aqueça por 5 minutos uma travessa de louça ou vidro ou ferro dentro do forno.

Abra a fava de baunilha no centro, retire as sementes e coloque-as dentro de uma bacia junto com o açúcar e o amaretto.

Misture bem e coloque a fava aberta junto.

Acrescente as ameixas e misture com as mãos por um minuto com cariño e boas intenções. Coloque na forma pré-aquecida.

Leve ao forno por 10 minutos.

Retire e coloque num prato bonito as ameixas e tente resgatar a maior parte do suco que soltaram. Regue as ameixas com essa calda.

Ofereça o creme chantilly ou iogurte ou sorvete à parte. Pode acompanhar amêndoas torradas.

Rendimento: 4 porções.

Com informações: VEJA e O Caderno de Receitas

O que Jesus Faria no seu Lugar? – Estudo Bíblico

1

É comum o cristão se deparar com inúmeras situações difíceis na vida, e em todas elas temos que tomar decisões que nem sempre sabemos se é o certou ou não a fazer. É nessas horas que uma pergunta pode fazer toda a diferença: o que Jesus faria no seu lugar?

Lidamos com muitos desafios, no trabalho, nos estudos, em casa, com filhos, no relacionamento amoroso (ufa!), na vida espiritual como um todo, quando temos a oportunidade de agradar ou pecar contra Deus. Em tudo isso, saber o que Jesus faria pode ser a diferença entre uma vida feliz ou de frustrações constantes.

Todavia, a grande verdade é que nem sempre queremos tomar a decisão baseados no que Jesus faria em nosso lugar. Isso, porque, Cristo sempre buscou agradar a Deus acima de todas as coisas (Lucas 22:42), enquanto nós, muitas vezes, procuramos agradar a nós mesmos.

Tomar a decisão de Cristo sem dúvida alguma é a melhor escolha, mas certamente não é a mais fácil. Prova disso é o simples fato de professar a fé cristã, algo que nos coloca como alvos em confronto com um mundo repleto de tentações. Mas temos na bíblia motivos para crer que pensar como Cristo produz frutos maravilhosos em nossa vida.

Vemos, por exemplo, como os discípulos de Cristo, apesar de todas as perseguições, insistiram na pregação do evangelho. Isso, porque, a experiência que tiveram com Cristo foi suficiente para lhes dar o conhecimento do que é a verdadeira paz, felicidade, amor e esperança na vida eterna.

Ao optar tomar decisões pensando o que Jesus faria no lugar deles, os discípulos de Cristo travaram muitas batalhas com o mundo, mas em todas saíram espiritualmente vitoriosos, porque estavam certos de que a certeza da salvação e a promessa da vida eterna eram muito melhores do que qualquer recompensa passageira neste mundo. Foi com base nisso que escreveu Paulo:

“Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.” (Romanos 8:18)

Esse mesmo Paulo, que também escreveu “…para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21), pode experimentar na sua pele todas as aflições do que significa se questionar a cada momento o que Jesus faria em seu lugar, a fim de tomar a decisão certa. E não por acaso, após testificá-las escreveu “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” (2 Timóteo 4:7)

Nesse pequeno estudo somos desafiados a olhar para nossa vida e nos questionar se o que temos escolhido, feito, pensado, reflete ou não a glória de Deus. Se temos colocado a mente de Cristo acima da nossa, para que diante das circunstâncias possamos pensar; o que Jesus faria no meu lugar?

Essa não é uma simples pergunta. É uma provocação a cumprir os ensinamentos de Cristo, porque disso parte a fé que lhe caracteriza, em guardar as Palavras de Cristo e colocá-las em prática ou se esquecer e agir por conta própria em tudo. Por isso Cristo afirmou:

“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.” (João 14:21)

Por fim, experimente colocar esse pequeno exercício em prática e veja o quanto suas decisões vão mudar, consequentemente toda sua vida. Se preciso, escreva num papel, faça um cartaz e cole na parede mais visível da sua casa: o que Jesus faria no meu lugar?

Talvez, saber a luz da bíblia o que Jesus faria no seu lugar não te faça mudar de opinião, decisão, ação, pela dureza do seu próprio coração, mas certamente vai te fazer entender melhor as consequências de uma escolha errada.

Abraço e até a próxima.

03 Dicas para Economizar na Black Friday

0

Quem não gosta de promoção? A Black Friday é aquele momento, reconhecido no mundo inteiro, onde milhões de pessoas deixam para gastar as suas economias e adquirir o produto tão desejado, as vezes, por muito tempo.

Todavia, nem sempre as ofertas prometidas pela Black Friday valem a pena em termos de economia, podendo fazer com que o consumidor gaste bem mais do que o esperado, apenas por campanhas de marketing muito convincentes. Mas, afinal, o que fazer para não cair em armadilhas?

O que todo consumidor deve ter em mente, antes de tudo, é que a melhor oferta é a que cabe no seu bolso. Isto significa, na prática, que para quem não tem condições financeiras de investir qualquer valor em um produto, não importa o tamanho do desconto, pois ele continuará saindo caro do mesmo jeito.

Ofertas da Black Friday

Isto, porque, a referência de “caro ou barato” é o seu orçamento e não o mercado. É o seu poder de compra e não a promoção. Mas a grande verdade é que nós sempre damos aquele “jeitinho brasileiro” quando queremos algo, certo? Especialmente se este algo for uma necessidade.

É com base nesse “jeitinho” de sempre conseguir as coisas e nas pessoas que realmente economizam, deixando para gastar durante promoções como a Black Friday, que vamos listar 03 dicas para não cair em armadilhas de propaganda. Segue:

01 – Confira se o produto de promoção é mostruário, ultrapassado ou próximo da validade

Muitas vezes os lojistas, especialmente grandes atacadistas, utilizam o estoque de mostruário para vender mais barato, anunciando como ofertas Black Friday quando, na verdade, estão apenas tentando despachar produtos que por terem suas embalagens violadas, manipulados e testados, são vendidos mais baratos.

Outro fator comum é a venda mais barata de modelos que já estão ultrapassados ou perto da validade, no caso de supermercados. Não se trata, portanto, de ofertas originais, mais que se repetem ao longo de todo ano, uma vez que os estoques precisam ser renovados.

02 – Verifique o juros total do parcelamento

Nem sempre o valor anunciado do produto corresponde ao seu valor final. Apesar de ser lei a informação do valor total, algumas lojas fazem isso de forma quase imperceptível para o cliente, de forma que o mesmo é induzido a enxergar apenas o valor da tabela, mas nunca o total das prestações.

Resultado: você paga prestações a perder de vista, por serem “pequenas”, sem perceber que nelas foram embutidas a diferença do preço do produto sem o desconto. Na prática, um produto antes anunciado por 500, que você compra por 400, pode ter os 100 de “desconto” na campanha Black Friday dissolvidos em juros no valor da parcela.

Portanto, fique atento ao custo total do produto e não apenas ao valor das parcelas ou ao valor da suposta promoção anunciado SEM os juros, porque nisso pode estar a diferença entre sua economia ou prejuízo.

03 – Pesquise na internet o preço em outras lojas

Por fim, a internet é um gigantesco banco de dados para o consumidor, apresentando preços de lojas que nem sempre aderem a campanhas promocionais em massa, como é o caso da Black Friday. Essas lojas costumam expor o mesmo valor durante o ano todo, servindo, portanto, de referência para você que deseja conferir se as ofertas da Black Friday são reais.

Portanto, sempre que puder, nunca deixe de comparar as ofertas na internet e cruzar as informações. Com isso você pode fazer suas compras com mais tranquilidade e certeza de que está, de fato, economizando e não caindo em uma pegadinha de marketing.

Abraço e até a próxima.

Livro contra a “Ideolatria Cristã”: Visões e Ilusões Políticas – David Koyzis

1

Sem dúvida alguma, um dos livros mais citados e lidos no meio cristão, por teólogos e cristãos em geral, preocupados com a chamada “ideolatria cristã“. Visões e Ilusões Políticas é um livro que analisa, segundo a perspectiva cristã, as ideologias contemporâneas.

No Brasil dos últimos anos, mais do que nunca temos discutido ideologias em evidência na sociedade moderna, de forma que a igreja cristã tem sido afetada, positiva ou negativamente, por grande parte delas.

Conhecer as origens e os fundamentos que fizeram surgir tais ideologias e como elas se converteram em ideolatria é crucial para quem deseja saber se posicionar, de forma coerente, e segundo os princípios bíblicos, nas mais diversas situações, especialmente naquelas que tocam temas bíblicos, como justiça social, educação, casamento e família.

David Koyzis, autor do livro, aborda de forma muito interessante o conceito de ideologia. Para ele a ideologia é, também, uma forma de idolatria, devendo por isso ser evitada pelo cristão quando isto se sobrepõe a Verdade bíblica. Segundo o autor:

“Mesmo pessoas que supostamente creem em Deus servem de fato a ídolos como o sucesso financeiro, o prestígio social ou o poder político. A idolatria nesse segundo sentido do termo é tão sutil e impalpável que é difícil reconhecê-la como tal. Mas é nesse tipo de idolatria que a ideologia tem sua raiz.”

David Koyzis, autor do livro Visões e Ilusões Políticas
David Koyzis, autor do livro que analisa, segundo a perspectiva cristã, as principais ideologias políticas contemporâneas.

Koyzis é doutor em Filosofia pela Universidade de Notre Dame e atua como professor de Ciência Política na Redeemer University College, no Canadá, onde ensina desde 1987. Recentemente esteve no Brasil para a “Conferência Ideolatria“, realizada pelo L’Abri Brasil e Movimento Mosaico, durante 14 e 16 de outubro desse ano, em Goiânia, GO.

Dado a importância do tema perante nosso contexto atual, esse é mais um dos livros que não podem faltar em sua biblioteca particular. Apenas para você ter uma noção, a obra aborda ao longo do texto, temas como ideologia, religião e idolatria; liberalismo; conservadorismo; nacionalismo; socialismo; democracia, dentre outros.

Sempre tendo como fundamento a perspectiva cristã, Koysis analisa esses e outros assuntos, tais como formas de transcender as ideologias e alternativas não ideológicas, bem como a função do Estado e sua missão, oferecendo ao leitor uma compreensão mais abrangente desses temas, para além dos rótulos cultuais tradicionalmente estabelecidos.

Por fim, o livro, com 349 páginas,  pode ser adquirido nas principais livrarias cristãs e o autor pode ser contactado, também, pelo Facebook, onde está sempre publicando e se comunicando com seus leitores.

Abraço e até a próxima!

A Perseguição Religiosa aos Cristãos na Atualidade

0

Os cristãos foram reprimidos ao longo de muitos anos, especialmente no primeiro século. Essa perseguição religiosa foi, além de uma reação ideológica incitada pelas tradições culturais da época, também de interesses políticos, uma vez que o Império Romano, assim como os judeus, não queriam ter seu domínio ameaçado pela “seita cristã”.

“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.

Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.”  (Mateus 5:11-12)

A passagem bíblica acima, escrita mais de dois mil anos atrás, trata de uma realidade que não mudou durante todo esse tempo, pois a perseguição religiosa contra os cristãos existe até hoje, sob vários formatos.

A perseguição moral, na forma de mentiras e injúrias, é apenas um aspecto da perseguição religiosa. Existem ainda as perseguições físicas, que procuram agredir e até assassinar a pessoa que professa a fé cristã, e a perseguição política e cultural, que procuram eliminar o cristianismo por meio de medidas proibitivas e transformações culturais.

Dos casos acima, temos como primeiro exemplo um tipo de perseguição mais sutil, que ocorre diversas vezes e em todo o mundo. Qual o cristão, verdadeiro, que nunca foi hostilizado ou constrangido por razão da sua fé? Seja pela forma de vestir, agir e pensar acerca de coisas que para o “mundo” são comuns.

Essa perseguição moral é o tipo mais comum, por exemplo, nas redes de TV, especialmente em programações populares, como novelas e conteúdos de comédia.

Para o segundo exemplo podemos citar o Estado Islâmico, que já declarou guerra ao “povo da cruz”, fazendo questão de publicar a morte de cristãos decapitados e queimados, enquanto outros são escravizados, torturados, por seguirem os ensinamentos de Cristo segundo a bíblia.

Perseguição religiosa de cristãos - Cristofobia
Imagens atribuídas ao assassinato de cristãos circulam pelo mundo como resultado da perseguição religiosa promovida pelo Estado Islâmico.

Quanto ao tipo de perseguição política e cultural, temos até hoje exemplo em países como Coreia do Norte, China e Cuba entre os principais, onde o cristianismo é reprimido politicamente e culturalmente, através de leis e ações “cultuais” do governo. Em 2013, por exemplo, numa entrevista ao Christian Solidarity Worldwide, questionado como é ser um cristão em Cuba, o Pastor Batista cubano Mario Barroso declarou:

“Além do Evangelho eterno que salva das conseqüências do pecado, nós espalhamos os valores e a ética do Reino de Deus, tão carentes em Cuba. Princípios que não fazem parte, por exemplo, da única educação legalizada da ilha, que é controlada pelo regime.

E por assim ser, a educação é desenhada para doutrinar nossas crianças através de um programa educacional totalmente ideologizado e formatado pra semear ateísmo e violência nas mentes. (…)

O Regime cubano tem resistido em sua maldade com o passar dos anos. Diferente de sua melhor aliada, a Coreia do Norte – a quem não interessa cuidar de sua própria imagem – os que governam Cuba se preocupam com isto, fato que os fazem mais perigosos, porque já não fuzilam abertamente, como ocorre na Coreia.” (Fonte: ANAJURE)

Não por acaso as palavras de Cristo anunciavam aquilo que estava para acontecer. Porém, o caráter da afirmação de Cristo não foi imediato e restrito aos cristãos de sua época. Jesus “deixou um consolo” também para os futuros seguidores que Ele, claro, sabia da existência.

Um ponto que merece destaque na passagem de Mateus 5:11-12 é a inclusão da mentira. Ora, Jesus experimentou todo tipo perseguição, não apenas a física, convertida em prisões, chicotadas, esfolamentos, tortura e, finalmente, a crucificação, mas também a moral.

Ele foi acusado, sem terem provas contra Ele, e foi condenado, mediante falsas alegações.

O mais interessante é que a perseguição religiosa no aspecto moral, assim como aconteceu com Jesus, foi motivada por:

  1.  Interesses políticos;
  2.  Repressão à liberdade de pensamento;
  3.  Tradicionalismo Religioso

E nesses pontos podemos afirmar que estas reações ocorreram pelos seguintes motivos

a) Exposição de erros doutrinários e morais

Jesus, assim como os profetas do Antigo Testamento, denunciou uma série de erros em sua época. Falando de conduta, amor, perdão e prioridades, Cristo “tratou” consequentemente de política, filosofia, tradição e moralidade, contrariando a cultura em cumprimento de suas convicções.

Cristo não cuidou de ser religioso. Ele cuidou de “…fazer a vontade do Pai”. Isso implicava em contrariar até mesmo os conceitos de religiosidade da sua época, um dos motivos pelo qual Ele foi perseguido, injuriado e condenado.

b) Incapacidade de confrontar a Verdade do evangelho

As palavras do evangelho, em Cristo, não apenas representaram uma nova forma de ver ao próximo, Deus e os valores da vida, mas também verdades práticas que apontavam para uma transformação pessoal envolvendo o caráter do indivíduo.

Os ensinamentos do evangelho, portanto, rompiam com as tradições religiosas que tinham uma função praticamente estética, de aparência e vaidade. Atingiam o coração, mudavam os conceitos e transformavam a maneira de agir das pessoas que seguiam a Cristo.

Ante a esses fatos, que atingiam também a cultura e contexto político da época, qual a única alternativa para quem se vê acuado por não conseguir confrontar tais ensinamentos? Caluniar, mentir, dar falsos testemunhos, manipular e injuriar.

É certo que Paulo, ao escrever em Romanos 8:35-39, já tendo a experiência da perseguição em sua pele (Gálatas 6:17), estava com a realidade da perseguição religiosa e das tribulações da vida cristã em sua mente. Confira:

“Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? …  estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,

Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor “

Finalmente, para quem pensa poder mudar alguma coisa na fé de um cristão verdadeiro, autêntico seguidor de Jesus, através da perseguição religiosa, seja na forma moral, física ou cultural, finalizamos com mais uma citação deste que também experimentou os dois lados da moeda, hora como ferrenho perseguidor, hora como perseguido:

“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.
Perseguidos,
mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;”  (2 Coríntios 4:8-9)

Abraço e até a próxima.

Os Perigos da Chupeta e a Importância da Amamentação

0

Todo mundo já ouviu falar que a amamentação faz bem para o bebê, mas por quê? Precisamos ter conhecimento de pelo menos alguns benefícios que o aleitamento traz para o bebê e para a mãe para podermos defender esse ato de amor e os perigos da chupeta.

O leite materno é o melhor e mais completo alimento para uma criança. Deve ser feito exclusivamente até os 6 meses de vida, e depois disso juntamente com outros alimentos até 2 anos de idade. Existem alguns motivos pelo qual podemos afirmar isso:

01 –     A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que um milhão e meio de mortes poderiam ser evitados a cada ano com a prática da amamentação;

02 –   O leite materno possui anticorpos, leucócitos, antígenos, laxante, fatores de crescimento e vários tipos de vitaminas.Tudo isso proporciona uma alimentação equilibrada para o bebê, prevenindo contra infecções e favorecendo o vínculo afetivo entre mãe e filho;

03 –   O leite materno protege contra diabetes, câncer na infância, menos problemas dentários e fonoaudiólogos associados ao uso da mamadeira e melhor recuperação contra doenças;

04 –      A criança demonstra um melhor desempenho em testes de QI.

As vantagens da amamentação

 

a)   O aleitamento materno ajuda o útero a voltar para o tamanho normal após o parto, evitando hemorragias e, com isso, aumenta o nível de ferro no organismo;

b)    Reduz o risco de câncer de mama e de ovário;

c)    O aleitamento materno é um anticonceptivo natural, evitando novas gravidezes durante o período da amamentação exclusiva (6 meses);

d)    A chance de ter depressão pós-parto é reduzida;

e)    O leite materno é mais econômico, afinal é gratuito.

Os bebês que não são amamentados acabam fazendo uso de mamadeiras. Não podemos pensar que as mamadeiras (e chupetas também) são inofensivas para a saúde das crianças. Existem estudos sobre os malefícios desses adereços e vamos expor alguns resultados para o conhecimento de todos:

01 –    O bebê que usa chupeta mama menos vezes ao dia e com isso há menor produção de leite pela mãe;

02 –   Há um aumento dos problemas respiratórios, das cáries e infecções de ouvido (otites);

03 –  Aumento da incidência de candidíase oral (infecção causada por fungo) e parasitoses intestinais;

04 –   Os bicos das chupetas e mamadeiras liberam uma substância (N-nitrosaminas) que aumentam potencialmente a chance da criança desenvolver câncer, principalmente de intestino;

05 –    Maior risco de sufocação durante a alimentação.

Costumamos dizer que a importância da amamentação não é uma tarefa fácil. Mas temos que nos lembrar dos grandes benefícios que ela traz para toda vida da criança e também de que é algo passageiro capaz de refletir estes benefícios por toda a infância.

Amamentar é um ato de amor e deve ser feito com todo carinho do mundo. Se você tem alguma dificuldade procure um especialista.

Informações colhidas com Joseane T. Carvalho,
Especialista em Saúde da Mulher.

Curso de Teologia a Distância (EAD) com Certificado

0

Fazer um curso de Teologia atualmente não é tão difícil quanto parece. E o melhor, com a qualidade de ensino e conteúdo equivalentes às melhores instituições de ensino teológico, de forma acessível, prática e com flexibilidade de aprendizado, agora é algo possível.

Muitas pessoas tem o desejo de estudar Teologia, por vocação ministerial, enquanto outros, também, por interesse no conteúdo acadêmico. Nosso objetivo nesse texto será mostrar como é possível fazer um excelente curso de Teologia a distância com certificado, tendo a chance de se tornar um bacharel na área.

Quem pode fazer o Curso de Teologia EAD?

A Teologia não é mais uma área específica voltada apenas para pessoas vocacionadas ao ministério pastoral, de liderança religiosa e missões. Diferente de algumas décadas atrás, a Teologia tem se tornando uma área de interesse diverso, por pessoas diversas, por ser um tipo de formação que permite ampliar a concepção da vida por uma perspectiva religiosa.

Mesmo tendo se popularizado nos últimos anos até mesmo entre os não “crentes”, a Teologia ainda é a disciplina indispensável para àqueles que desejam servir a Deus através do ministério pastoral, de lideranças variadas, como o diaconato,  evangelismo e missões. É por essa razão que existem, também, os seminários especializados na formação ministerial, com o objetivo de capacitar vocacionados para o serviço cristão.

Todavia, muitos cristãos não tem tempo de estudar nos seminários comuns, porque trabalham, tem famílias, possuem uma série de obrigações que os impedem de se comprometer com a capacitação teológica. Por essa razão, muitos desistem, deixando de lado o aperfeiçoamento de habilidades que foram dadas por Deus para o crescimento da Igreja.

Outro grande problema que tem impedido muitos cristãos dedicados de fazerem um curso de Teologia é a questão financeira. Algumas igrejas ajudam seus seminaristas com parte das despesas, mas ainda assim, elas são muitas, pois num curso presencial existe o custo com deslocamento, material didático impresso, alimentação e mensalidade.

Alguns seminaristas iniciam o curso de Teologia, mas param no meio do caminho, porque não tem condições financeiras para concluir. Trancam o curso a perder de vista e com o passar do tempo seguem outros caminhos, optando por outras profissões, se esquecendo do “velho chamado”.

Programa Teologia para Todos

Foi com base na triste realidade acima que a Universidade da Bíblia criou o “Programa Teologia para Todos”, onde oferece o curso livre de Bacharel em Teologia, na modalidade a distância, para que milhares de pessoas possam ter acesso ao conteúdo de formação em teologia e ter a chance de se qualificar para o ministério cristão em suas igrejas.

O curso de Teologia online oferecido pela Universidade da Bíblia possui caráter eclesiástico, ou seja; para formação de líderes cristãos, aptos para assumir funções como a de conferencistas, obreiros, professores da escola dominical, presidentes de ministérios, membros da diretoria em convenções, etc. Segundo a instituição:

“A Universidade da Bíblia  visa o conhecimento bíblico teológico com a finalidade de formar líderes, pastores e obreiros atuantes com destaque na Obra do Senhor.”

É muito importante compreender a necessidade de se capacitar para o exercício de qualquer função dentro da igreja, especialmente as de liderança. É um equívoco pensar que o cristão habilidoso, maduro no conhecimento bíblico, não precisa de capacitação. Observe, por exemplo, o que diz o livro de Atos 7:22:

“E assim, Moisés foi educado em toda a sabedoria dos egípcios e tornou-se um homem poderoso em palavras e obras.”

Moisés, como líder do povo Hebreu, foi capacitado por Deus para se posicionar perante Faraó, mas seu nível de instrução perante a ciência egípcia, ou seja, dos conhecimentos de sua época, foram destaques naquela nação, sendo por isto mencionado esse detalhe no livro de Atos.

Observe também o que etá escrito em 1 Reis 4:29:

“Deus concedeu a Salomão generosa porção de sabedoria e entendimento; uma capacidade de discernimento muito além do normal, e conhecimentos tão abrangentes e profundos que não podiam ser medidos.”

É verdade que o Apóstolo Paulo, em 1 Coríntios 2:4, afirma que “a minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder”. Todavia, sua afirmação não significa o desprezo pelo conhecimento, mas sim a dependência de Deus em referência a ação do Espírito Santo, como único capaz de convencer o ser humano do pecado, da justiça e do juízo.

Por essa razão, o mesmo Paulo, em Romanos 12: 1-2, declara:

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional;
e não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que proveis qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

Prestar a Deus um culto racional implica em saber exatamente o significado do culto, suas razões morais e práticas, assim como para transformar o mundo por uma renovação da mente implica o conhecimento do que devemos entender, para que possamos mudar.

Em todos esses casos vemos, portanto, a importância da formação Teológica para todo cristão comprometido com o serviço cristão.

Veja o que está escrito também em 1 Pedro, 3:15:

“…mas santificai nos vossos corações a Cristo como Senhor, estando sempre prontos a dar uma resposta a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, mas com mansidão e temor”.

A passagem acima é um clássico da disciplina Apologética Cristã, uma das que fazem parte da grade curricular do Curso de Teologia da Universidade da Bíblia. Observe que ela enfatiza a necessidade que tem o cristão de estar sempre preparado para responder, com razão, a quem questionar a sua fé.

O que eu vou estudar no Curso de Teologia?

O Curso de Teologia EAD da Universidade da Bíblia, portanto, tem como objetivo suprir uma necessidade de capacitação de forma objetiva e prática, flexível, para todo cristão que deseja estar preparado para responder os dilemas desse tempo. Ao fazer sua matrícula, você vai estudar no total 59 matérias, são elas:

A qualidade do seu estudo e a chance de se formar em Teologia só depende de você. Com as facilidades oferecidas pela Universidade da Bíblia, você tem a chance de se graduar em Teologia sem sair de casa e fazer dessa oportunidade uma ponte para uma formação mais ampla.

O curso permite, também, que igrejas capacitem seus membros através de uma formação continuada, onde cursos como esse podem servir de base para iniciação de futuros ministros, líderes, diáconos, evangelistas e missionários.

Pela facilidade de acesso, sendo livre de mensalidade, a Igreja que deseja investir em seus membros vocacionados pode adquirir o curso e fazer com que o próprio aluno estude dentro da igreja, sob acompanhamento do seu líder ou teólogo já formado. É uma excelente oportunidade, também, de discipulado.

A qualidade do material didático é garantida pela Universidade da Bíblia, pois foi elaborado por “doutores e mestres em teologia, filosofia cristã, ciências da religião e pedagogia; seguindo rigorosamente as normas universitárias internacionais.”. Além disso, o curso possui reconhecimento em “todas as principais igrejas, denominações e convenções do Brasil, inclusive por conselhos regionais de teologia”.

Sobre a Universidade da Bíblia

A Universidade da Bíblia é uma empresa devidamente registrada, atuando a mais de uma década no ensino teológico a distância. São 12 anos no total, contribuindo para a expansão da teologia entre os cristãos no Brasil e no mundo, já tendo formado mais de 20.000 alunos em 60 países, muitos dos quais estão atuando em países como Estados Unidos, Canadá, Portugal, Japão e África do Sul.

Através de uma plataforma robusta online, a Universidade da Bíblia conta com proteção e segurança digital 100% confiável. Você tem acesso seguro ao seu painel de aluno, onde poderá estudar, imprimir material didático, consultar informações e compartilhar dados, com o máximo de segurança.

Veja abaixo algumas das vantagens em se matricular na Universidade da Bíblia:

Flexibilidade de horário: você estuda no momento em que lhe for mais apropriado;

Flexibilidade de lugar: você estuda no lugar em que julgar mais conveniente;

Flexibilidade de acesso: todas as atividades previstas em nossos cursos podem ser realizadas de um computador com acesso a internet. Assim, a possibilidade de você participar só depende da sua vontade e do seu interesse em se atualizar e se capacitar;

Economia de tempo: Você evita assim o incômodo de ter que se deslocar para outros pontos da sua cidade, ou até viajar para outras cidades para poder participar deste tipo de curso;

Economia de gastos: Evitar o deslocamento já é uma importante medida de economia. Se você calcular quanto gasta a mais com deslocamento, hospedagem e alimentação, poderá ver que participar do sistema EAD é muito mais econômico.

A maior grade curricular em Teologia Cristã

Acredite, talvez não exista outro meio eficiente que ofereça conteúdo profissional e diverso em Teologia de forma tão acessível e prática, como esse curso de Teologia. Na maioria dos cursos semelhantes que existem, a grade curricular é superficial, muito resumida e pouco explorada.

Por outro lado, na Universidade da Bíblia, você encontra matérias como Antropologia, Arqueologia, Homilética, Apologética, Hamartiologia, Direito Eclesiástico, Missiologia, dentre várias outras, que nem mesmo são citadas em outros cursos, mas que nesta instituição fazem parte da formação e, portanto, são disciplinas obrigatórias!

A qualidade da sua formação, portanto, depende muito mais de você e seu interesse em se dedicar. Em pleno sex. XXI o conhecimento informatizado permite que uma pessoa obtenha formação profissional em muito menos tempo, porém, sem sacrificar a qualidade do conteúdo estudado. Isso requer apenas investimento pessoal e administração do tempo.

Você pode acessar o curso clicando AQUI e fazer hoje mesmo a sua matrícula. Não deixe para depois o que pode ser o seu chamado agora. Busque seu aperfeiçoamento de maneira objetiva e não deixe que o tempo e as desculpas sirvam de empecilho para o seu aprendizado.

Se você um dia começou a estudar Teologia e parou por diversos motivos, talvez esta seja a sua hora de recomeçar. Não importa se a sua vida tomou outros caminhos, servir a Deus é um exercício diário de uma vida entregue a Ele.

Talvez você já tenha se deparado com muitas oportunidades, mas deixou passar todas elas, procurando justificar sua decisão com inúmeras desculpas. Na vida ministerial, onde sabemos existir um mundo espiritual tentando a todo tempo influenciar nossa decisões, muitas vezes a desistência e falta de ânimo são sintomas de algo que luta para não deixar você se dedicar a Deus.

Não deixe que mais uma oportunidade passe diante dos seus olhos com desculpas que te servem apenas para alívio de consciência. O que há no seu coração nesse exato momento, ardendo no peito como um desejo de servir mais a Deus, ampliando seus conhecimentos, pode ser a melhor escolha da sua vida.

Esse curso pode não ser o fim, mas apenas um meio pelo qual você dará continuidade a toda sua formação, talvez atuação de formas que jamais imaginou. Assim como em diversos seminários teológicos renomados, presenciais, o curso de Teologia é oferecido na forma livre, a Universidade da Bíblia também lhe oferece a mesma oportunidade, porém, com as facilidades que já lhe apresentamos.

O primeiro passo para Especialistas, Mestres e Doutores em Teologia

A Universidade da Bíblia também oferece cursos de pós graduação, Mestrado e Doutorado livres em Teologia, mas para alcançar esse nível acadêmico, você precisa começar fazendo o curso de Bacharel. Tudo isso em um só lugar, com a mesma infraestrutura e equipe qualificada de profissionais.

Depoimentos da Universidade da bíblia

Acesse o site clicando AQUI para ver mais depoimentos e confirmar como tem sido importante a existência desse curso de Teologia a distância. Agora que você pode ser mais um dos 20.000 alunos formados, essa conquista fará parte também da sua vida.

Este é o tempo e a sua oportunidade chegou! Mais do que nunca, em nossa geração, o Reino de Deus deve ser composto por cristãos capacitados ao exercício da fé. Estudar Teologia é dedicar sua vida a Deus, também, pelos estudos. Essa não é uma matéria exclusiva apenas para futuros ministros, mas para todo cristão que almeja servir a Deus com excelência.

Quanto vale sua dedicação para o Reino? Acredite, muito mais do que o valor que você pode pagar ou não, o preço da sua dedicação está na entrega da sua própria vida a Cristo, investindo para Ele a aquisição de conhecimentos que vão te permitir seguir os ensinamentos dEle conforme a doutrina bíblica.

O curso de Teologia também vai lhe dar os recursos para lidar com sua própria vida espiritual. Ao ter mais conhecimento sobre Deus, sua fé se fortalece, porque quanto mais conhecemos a Teologia Cristã, mais preparados ficamos para enfrentar as adversidades da vida. Por essa razão, também, este curso pode ser dado de presente para quem você deseja que amadureça na fé cristã.

Atualmente um número crescente de “obreiros digitais” estão se espalhando pelo mundo. São pessoas que por vários motivos não podem ser membros regulares de uma igreja, na forma presencial. As vezes, devido ao trabalho, cuidado com a família, etc., essas pessoas buscam conhecimento e interação pela internet. Se você é uma dessas pessoas, tenha certeza que esse curso pode ser a sua oportunidade de se preparar para o evangelismo online.

De linguagem fácil, objetiva, atualizada e ao mesmo tempo técnica, a Universidade da Bíblia também visa suprir a deficiência de conteúdos desatualizados que não contemplam as necessidades dos cristãos em nossa geração. Para isso, formar teólogos com a capacidade de lidar com os dilemas da atualidade é uma característica imprescindível para quem busca aperfeiçoamento.

A sua chance de se formar em Teologia online!

Finalmente, já detalhamos diversos aspectos do Curso de Teologia a Distância que indicamos e listamos inúmeras vantagens. O passo agora é seu. Sua decisão é o que fará a diferença nos próximos dias em sua vida.

Se antes o problema era falta tempo, hoje não é mais! Porque o curso pode ser feito no seu próprio ritmo, assim como sua conclusão depende apenas de você. Também falta de condições financeiras não é o problema, pois o curso é livre de mensalidades. Não há, também, problemas burocráticos que te impedem de começar, pois você pode se matricular agora mesmo, clicando AQUI.

A qualidade do ensino está comprovada por diversos depoimentos e pela seriedade que a Universidade possui. Seu alcance mundial e eficácia no funcionamento de sua logística, fazem dessa uma das melhores instituições de ensino teológico a distância do planeta.

Sendo assim, o que falta, então, para você começar hoje mesmo a estudar Teologia e se tornar um Teólogo? Sua decisão, determinação ou, talvez, desejo de se entregar ao ministério pode ser a única coisa que separa você de sua maior realização pessoal.

Acredite, lhe damos diversos motivos para não deixar o tempo passar e começar a estudar hoje mesmo. Todavia, o maior deles é algo que diz respeito, também, a você e Deus. Não importa o que significa o estudo da Teologia para você. Se por interesse acadêmico, apenas, ou ministerial, você precisa saber o que Deus tem falado ao seu coração para tomar a decisão certa.

Mas, uma coisa podemos afirmar com absoluta certeza: Se Deus te chamou para se capacitar e a Teologia é o caminho que faz pulsar o seu coração, não perca nem mais um minuto! MATRICULE-SE JÁ, enquanto ainda há tempo! Clique AQUI.

Qual é o Lugar de Deus na Humanidade?

0

O sentimento religioso humano é marcado pela tentativa de atribuir a divindade uma identidade e um lugar, segundo a expectativa humana. Mas a bíblia demonstra um Deus que se revela nos lugares e situações mais improváveis. Afinal, qual é o lugar de Deus na humanidade?

Através de Cristo, vemos o ápice da revelação divina aos seres humanos. Seguindo a lógica do “contraditório” manifesta em todo Antigo Testamento, Deus, em Cristo, também se revela em lugares improváveis, afinal, o que esperar de um Deus encarnado na figura de um carpinteiro, filho de um José e uma Maria, crescido na insignificante e incrédula Nazaré? (João 1:46)

Em Cristo, Deus rompe com a concepção de “lugar sagrado” (João 4: 21 – 23) e de uma identidade forjada segundo os valores humanos, baseada na aparência de uma fé “morta” (Tiago 2:18), passando a concentrar todo aspecto de santidade, adoração e culto, a vida do ser humano como um todo.

Neste sentido, podemos afirmar, segundo a bíblia, que o lugar de Deus na humanidade está nas ações de um coração sincero, que dá sentido ao que faz, pensa e fala, pelo entendimento acerca dEle e não por sacrifícios pessoais. (Oséias 6:6)

Neste sentido está a sua essência moral, ética, que produz frutos dignos de arrependimento, amor a Deus e ao próximo como a si mesmo. É por essa compreensão que Cristo fundamenta seus ensinamentos, por exemplo, em Mateus 5: 20-48.

Deus está, também em nossos dias, em tudo o que se equivale a profecia de Isaías 53:3 sobre Cristo, quando disse:

“Era DESPREZADO, e o mais REJEITADO entre os homens, homem de DORES, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens ESCONDIAM O ROSTO, era desprezado, e NÃO FIZEMOS DELE CASO ALGUM.”

Esse Cristo profético, desprezado em sua época por NÃO ter nascido com a IMAGEM e os RECURSOS que os homens acreditavam serem dignos do Filho de Deus, é o MESMO que hoje se manifesta em muitas formas de desprezo e rejeição, das quais muitas vezes “escondemos o rosto”, porque, da mesma forma que antes, ainda não entendemos como é possível Deus estar onde não achamos “dignidade”.

Deus é a essência da adoração, presente 24h em quem lhe adora com a própria vida. É a justiça que “excede a dos escribas e  fariseus”, porque se manifesta na pratica, na maneira como trata o outro e se posiciona neste mundo. Como está escrito:

“Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo?
Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?”(Isaías 58:6,7)

Portanto, acredite, Deus muitas vezes pode estar na pessoa do lado de fora do templo. No último banco, sentado em silêncio, assim como na vida de quem se entrega por amor à obra.

O lugar de Deus pode estar em quem não sabe o significado de “cerimônia” e nunca teve a oportunidade de decorar um versículo. No pedido de água a quem lhe negou um copo, ou mesmo do pão a quem poderia ter lhe dado uma refeição completa, mas preferiu negar uma moeda.

Se compreendermos a essência correta de qual é o lugar de Deus na humanidade, verdadeiramente, todo o resto faz sentido.

O monte de oração, o culto solene, a hora reservada na madrugada, as tradições, o vestir bem, a excelência do louvor. O sentar e levantar em reverência a leitura bíblica e tantos outros “ritos”, tudo isso faz sentido quando vivenciados segundo o modelo de fé ensinado por Cristo.

Faz sentido porque são apenas um aspecto perante uma adoração muito maior, onde o que você crê se manifesta através da sua vida, como um todo, a todo tempo, segundo o que realmente condiz com a vontade de Deus e não com a tradição e vaidade dos homens.

Abraço e até a próxima!

Livro – Sempre Preparados: Orientações para a Defesa da Fé

0

Com o objetivo de fortalecer a fé dos cristãos, faremos a indicação de alguns livros sobre defesa da fé, ou apologética, como também é chamada a área de estudos da teologia que propõe apresentar argumentos e respostas em defesa da fé cristã.

Na dica de hoje, trazemos a indicação do livro escrito pelo americano Doutor em Filosofia Greg L. Bahnsen, um dos principais intérpretes do pensamento pressuposicionalista de Cornelius Van Til, também Filósofo e Teólogo cristão do sec. XX

O livro, pouco conhecido por ter sido lançado recentemente (2016), traduzido para o português por Marcelo Herberts, se chamada “Sempre Preparados: Orientações para a Defesa da Fé“, e é considerado uma das obras mais aguardadas do ano para quem deseja compreender a perspectiva apologética vantiliana.

“Greg Bahnsen foi, antes da sua morte prematura, um dos pensadores e debatedores mais perspicazes entre os apologistas vantilianos. ‘Sempre Preparados’ resume bem e expõe as passagens bíblicas que constituem o arsenal do apologista.” (Dr. John Frame)

Livro Sempre Preparados: Orientações para a defesa da fé

Bahnsen certamente faz uma grande contribuição ao escrever uma obra que permite o cristão aprofundar seus conhecimentos numa apologética mais ortodoxa, baseada num autor que foi um dos grandes pilares para o desenvolvimento da apologética cristã no século XX.

Esse é um dos livros que não podem faltar no seu acervo de literaturas em defesa da fé cristã, seja você um pastor, ministro, líder ou membro “comum” de uma igreja local, conhecer as bases do pensamento filosófico que dão suporte a fé cristã é fundamental para o amadurecimento da sua fé.

O melhor é que o livro pode ser adquirido por um preço muito barato, pois ainda não tem versão impressa lançada no Brasil. Para ler, você terá que adquirir sua versão digital, em formato KINDLE, através da Amazon americana ou brasileira.

O valor da obra custa apenas  $2,91 dólares, ou R$ 9,99 em reais. Para comprar, basta acessar o site da Amazon e digitar no buscador o título do livro, seguir o procedimento de compra e obter o texto em formato digital.

Por fim, diante de oportunidades como essa, que te permitem ampliar seu conhecimento em defesa da fé cristã, nunca esqueça da passagem bíblica, marco da nossa apologética, escrita em 1 Pedro 3:15, que diz:

“Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós”.

Abraço e até a próxima!

Recentes